Excelência em administração

  • Diretrizes da ISSA:
  • Continuidade e Resiliência dos Serviços e Sistemas de Previdência Social

Excelência em administração

  • Diretrizes da ISSA:
  • Continuidade e Resiliência dos Serviços e Sistemas de Previdência Social

Continuidade e Resiliência dos Serviços e Sistemas de Previdência Social -
Introdução

As instituições de segurança social são uma face importante do governo. O público recorre à segurança social para apoio, especialmente em momentos de necessidade em várias fases do seu curso de vida. Embora a sustentabilidade financeira dos programas seja uma preocupação permanente dos administradores da previdência social, o atendimento da demanda da população por benefícios e serviços no dia a dia requer atenção e ação mais imediatas. O público cresceu para esperar a entrega previsível e oportuna de benefícios e serviços de previdência social em circunstâncias normais, bem como em situações altamente perturbadoras e extremas, como evidenciado pela experiência recente com a pandemia do COVID-19.

Choques imprevistos e eventos extremos podem estressar e sobrecarregar significativamente as capacidades das instituições de previdência social, o que pode levar a sérias interrupções no fornecimento de benefícios e serviços e, em última análise, à perda da confiança do público. A pandemia é um lembrete inequívoco de que o público conta com os administradores da previdência social para cumprir a promessa de entregar prontamente a previdência mesmo em condições adversas. Ciente de que os choques podem facilmente se traduzir em crises sociais, as instituições de seguridade social devem ter a capacidade de dimensionar e implantar recursos rapidamente e colaborar com outras unidades governamentais como parte de uma resposta nacional concertada.

Uma gama cada vez mais ampla de choques e eventos extremos está afetando o trabalho das instituições de seguridade social. As crises socioeconômicas e humanitárias exigem respostas sociais excepcionais para proteger os grupos populacionais afetados. As catástrofes naturais impactam os serviços de seguridade social e requerem operações específicas de apoio social. Outros tipos de incidentes físicos, como incêndios, podem destruir a infraestrutura institucional, levando a graves interrupções de serviço. Além disso, a crescente digitalização da administração da previdência social expõe as instituições a riscos e vulnerabilidades cibernéticas emergentes, conforme descrito no relatório ISSA Enhancing the protection and cyber resiliência das administrações de previdência social – Introdução à segurança cibernética (2021) e o relatório ISSA Resiliência operacional digital (2022).

Um choque pode potencialmente colocar tudo em desordem, principalmente recursos humanos e de TIC, processos de negócios e programas e prestação de serviços. As instituições de previdência social devem estar prontas para gerenciar essas interrupções e ser capazes de restaurar a normalidade e a continuidade dos negócios com facilidade e resiliência. É importante identificar os pontos fortes da organização e, não menos importante, corrigir os pontos fracos, sejam eles originados de deficiências na organização, na tomada de decisões, nos processos de negócios, na infraestrutura, nos ativos ou nas atividades. A proteção contra choques requer a correção e o fortalecimento dos elos até então fracos para garantir que toda a estrutura institucional possa resistir e ser resiliente diante de qualquer evento disruptivo futuro.

A prontidão institucional para eventos adversos proporciona ao público e ao pessoal da instituição um forte senso de estabilidade e confiança. Sistemas e recursos testados e sem risco permitem uma posição de força a partir da qual a instituição pode atender prontamente às necessidades dos cidadãos com o mínimo de interrupções operacionais. Independentemente do estágio de desenvolvimento de uma instituição, os últimos anos destacaram a importância de incluir a continuidade e a resiliência dos negócios como um elemento-chave de governança na administração da previdência social. Caso um evento adverso se materialize sem planos de contingência implementados, medidas reativas podem se mostrar insuficientes ou tardias, incluindo soluções de última hora mais caras e soluções paliativas incapazes de salvar a reputação de uma instituição ou a boa vontade do público.

Para serem resilientes, é imperativo que as instituições estabeleçam planos de continuidade de negócios que antecipem crises imprevistas. Tais planos permitirão que os sistemas e recursos da instituição sejam parte da solução ao invés de agravar o desafio a ser superado e permitir que a instituição seja ágil na gestão de uma crise e seja proativa na proteção dos beneficiários e da população coberta.

A natureza imprevisível de choques e eventos extremos destaca a necessidade de estruturas que forneçam os meios para identificar, responder e ser resiliente rapidamente a esses eventos. As Diretrizes da ISSA sobre Continuidade e Resiliência dos Serviços e Sistemas de Previdência Social visam fornecer orientações sobre como as instituições de previdência social podem preparar, fortalecer e continuar a fornecer benefícios e serviços diante de eventos imprevistos, formulando um caminho que focalize esforços em diferentes domínios.

Embora existam estruturas e padrões de continuidade de negócios, eles são amplos e de natureza geral e não são adaptados às necessidades específicas dos programas e instituições de seguridade social. Essas diretrizes cobrem essa lacuna e abordam as especificidades da administração previdenciária, principalmente a necessidade de resiliência e prontidão para eventos extremos e imprevistos. As Diretrizes da ISSA sobre Continuidade e Resiliência dos Serviços e Sistemas de Previdência Social complementam as outras Diretrizes da ISSA, bem como as normas internacionais aplicáveis ​​para cobrir a falta de orientação específica para a administração da previdência social.